Fork me on GitHub

Você está aqui: Home Dive Into HTML5


Cinco Coisas Que Você Deveria Saber Sobre HTML5

 

1. Não é uma grande coisa só

[mock video player]

Você deve estar se perguntando: “Como posso começar a usar HTML5 se os navegadores antigos não a suportam?” Mas a própria questão nos engana. HTML5 não é uma grande coisa só; é uma coleção de funcionalidades individuais. Então você não pode detectar suporte ao “HTML5,” porque isso não faz o menor sentido. Mas você pode detectar o suporte a funcionalidades individuais como canvas, vídeo e geolocalização.

Você pode achar que o HTML é um conjunto de tags e colchetes angulados. Essa é uma parte importante, mas não é a história toda. A especificação do HTML5 também define como esses colchetes angulados vão interagir com JavaScript, através do Document Object Model (DOM). A HTML5 não define apenas uma tag <video>; também há uma DOM API correspondente para objetos de vídeo no DOM. Você pode usar essa API para detectar o suporte a diferentes formatos de vídeo, executar um vídeo, pausar, dar mute no áudio, identificar quanto o vídeo foi baixado, e todo o resto necessário para criar uma experiência rica ao usuário com relação a própria tag <video>.

O Capítulo 2 e o Apéndice A irão te ensinar como detectar de forma adequada o suporte para cada nova funciondalide da HTML5.

2. Você não precisa jogar nada fora

[sample form controls]

Ame ou odeie, uma coisa você não pode negar é que a HTML 4 é o formato de marcação mais bem sucedido que já existiu. HTML5 é criado sobre esse sucesso. Você não precisa jogar fora sua marcação existente. Você não precisa reaprender coisas que já sabe. Se a sua aplicação web funcionou ontem em HTML 4, continuará funcionando hoje em HTML5. Ponto final.

Agora, se você quiser aprimorar suas aplicações web, você veio ao lugar certo. Veja esse exemplo concreto: HTML5 suporta todos os controles de formulário da HTML 4, mas também inclui novos controles de input. Algumas são adições pedidas há tempos como sliders e date pickers; outras são mais sutis. Por exemplo, o tipo de input email parece exatamente como uma caixa de texto, porém os navegadores de dispositivos móveis irão customizar sua tela no teclado para facilitar a inserção de endereços de email. Navegadores mais antigos que não suportam o tipo de input email irão tratar o tipo de input como um input de texto comum, e o formulário ainda funciona sem mudanças na marcação ou scripts corretores. Isso significa que você pode começar a melhorar seus formulários web hoje, mesmo que alguns dos seus visitantes estejam presos ao Internet Explorer 6.

Leia todos os mínimos detalhes sobre formulários em HTML5 no Capítulo 9.

3. É fácil de começar

[sample HTML markup]

“Atualizar” para HTML5 pode ser tão simples quanto atualizar o seu doctype. O doctype já deveria estar na primeira linha de toda página HTML. Versões anteriores do HTML definiram muitos doctypes, e escolher o doctype correto pode ser complicado. Em HTML5, há apenas um doctype:

<!DOCTYPE html>

Atualizar para o doctype da HTML5 não irá causar problemas a sua marcação atual, porque todas as tags definidas em HTML4 são suportadas em HTML5. Mas possibilitará você usar — e validar — novos elementos semânticos como <article>, <section>, <header>, e <footer>. Você irá aprender sobre todos esses novos elementos no Capítulo 3.

4. Já funciona

[form field with onscreen keyboard]

Caso você queira desenhar em canvas, tocar um vídeo, implementar melhores formulários ou construir aplicações web que funcionem offline, você descobrirá que a HTML5 já é bastante suportada pelos navegadores. Firefox, Safari, Chrome, Opera, e navegadores móveis já suportam canvas (Capítulo 4), vídeo (Capítulo 5), geolocalização (Capítulo 6), armazenamento local (Capítulo 7), e mais. Google já suporta microdata annotations (Capítulo 10). Até mesmo a Microsoft — raramente conhecida por suportar padrões — suporta a maioria das funcionalidades da HTML5 no Internet Explorer 9.

[Gears saying "I can help"]

Cada capítulo desse livro inclui quadros de compatibilidade com os navegadores mais familiares. Porém o mais importante é que cada capítulo inclui uma discussão franca das suas opções se você precisar suportar navegadores antigos. As funcionalidades da HTML5 como geolocalização (Capítulo 6) e vídeo (Capítulo 5) foram primeiramente providas por plugins como Gears ou Flash nos navegadores. Outras funcionalidades, como canvas (Capítulo 4), podem ser emuladas inteiramente em JavaScript. Esse livro vai ensinar você como atingir funcionalidades nativas em navegadores modernos, sem deixar os navegadores mais antigos para trás.

5. Está aqui para ficar

Tim Berners-Lee inventou a world wide web no início dos anos 1990. Mais tarde ele fundou a W3C para agir como um administrador dos padrões da web, o que a organização vem fazendo por mais de 15 anos. Isso é o que a W3C tem a dizer sobre o futuro dos padrões da web, em Julho de 2009:

Hoje o Diretor anunciou que quando a licença do grupo de trabalho sobre XHTML 2 expirar, como programado para o final de 2009, a licença não será renovada. Fazendo isso e aumentando os recursos no grupo de trabalho de HTML, a W3C espera acelerar o progresso da HTML5 e clarificar a posição da W3C acerca do futuro da HTML.

HTML5 está aqui para ficar. Vamos mergulhar.

Você sabia?

Em associação a Google Press, O’Reilly está distribuindo este livro em variados formatos, incluindo papel, ePub, Mobi, DRM-free e PDF. A edição paga é chamada “HTML5: Up & Running,” e está disponível agora.

Se você gostou dessa introdução e quer mostrar como apreciou, basta comprar o livro “HTML5: Up & Running” com esse link afiliado ou comprar a edição eletrônica diretamente da O’Reilly. Você vai ganhar um livro, e eu vou ganhar um trocado. Atualmente não aceito doações diretas.

Copyright MMIX–MMXI Mark Pilgrim